quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

O Vencedor

Com 7 indicações para o Oscar, estréia nesta sexta um filme que achei espetacular: The Fighter. Como o título O Lutador (que seria o correto) foi dado ao filme com o Mickey Rourke ano retrasado, este legítimo The Fighter virou aqui O Vencedor. Caracaaaa! Que filme ducaaa! Você sai do filme inspirado! Ok, tudo bem que é mais um filme de boxe, com lutadores fracassados, uma família decadente, o subúrbio de uma cidade pequena do interior dos EUA e vários outros elementos que você já viu em vários outros filmes de boxe.
Só que este tem algo mais...pra começar tem um Christian Bale explosivo no papel de Dick Eklund, peso médio que perdeu quase tudo na vida, o treinador, as lutas, a carreira afundado no vício em drogas pesadas como crack. Outro brilho do filme tá no elenco feminino que dá um show! A mãe dos lutadores ficou com Melissa Leo que ganhou coadjuvante ano passado por Rio Congelado e concorre de novo neste ano, aqui faz uma perua suburbana mãe de 7 filhos, os dois lutadores e mais cinco mulheres igualmente loucas, desocupadas e cheias de frustração. A namorada de Micky Ward, o irmão mais novo, é o outro ponto de força feminino, interpretada pela Amy Adams, a mesma de Julie e Julia, irreconhecível aqui como a barwoman que conquista o coração do não tão jovem lutador, Micky Ward (Mark Wahlberg). Aliás é  em torno dele que gira tudo. O cara é um touro, não só pelo tamanho (nunca vi esse ator tão forte num filme) como também na sua determinação em seguir em frente mesmo com sua família jogando contra. Mark Wahlberg se apaixonou pelo roteiro 5 anos antes e fez de tudo para levar a história às telas. Chegou a construir um ringue em casa e treinar boxe diariamente. o resultado se vê no filme.
Se é possível apontar um algo que não ficou tão legal são as cenas de luta que nem são tantas assim (porque o filme não é só sobre boxe, é verdade! pode ver!) não são incríveis, verossímeis como outros filmes do gênero já conseguiram fazer. Mas isso não compromete o resultado de forma alguma.
Ao final, quando vemos os dois irmãos reais aparecerem nos créditos dá uma sensação de vitória redobrada: - Poxa! Isso aconteceu mesmo!
Apesar das 7 indicações, é muito pouco provável que leve a mais desejada que é a de melhor filme. Mas isso é uma questão que envolve muito mais as campanhas que os estúdios estão fazendo neste momento do que os méritos do filme em si.
Sensacional, inspirador, arrebatador como nos melhores momentos de Menina de Ouro, este O Vencedor é muito mais que um filme de boxe, é um filme humano e emocionante.

Um comentário:

Graciela disse...

Se eu te disser minha real opinião sobre esse filme você vai me chamar de chata.



Mas o Bale está sensacional, admito.