sexta-feira, 7 de março de 2008

Na Natureza Selvagem 3...

Um rapaz de 22 anos sai da faculdade de antropologia e história com as melhores notas da turma e decide abrir mão de absolutamente de tudo (família, dinheiro, carreira, futuro) pelo sonho de viver uma aventura de verdade no Alasca, sobrevivendo apenas com o que pudesse extrair da natureza.
Essa foi a decisão que o jovem Christopher McCandless tomou em 1990. Ele buscava uma vida menos materialista como a dos clássicos românticos que costumava ler em sua juventude. Thoreau, Jack London, Tolstoi, Byron...o filme está cheio de citações que ajudam a entender a cabeça do jovem McCandless. Ele pediu carona para várias pessoas, morou numa comunidade hippie, fez rafting no rio Colorado, foi parar no México, sempre anotando, lendo e deixando marcas profundas nas pessoas que cruzaram seu caminho em seus anos de andarilho. Christopher McCandless não teve um final feliz...não vou aqui contar o que acontece com ele, mas como se trata de um fato verídico, talvez você já conheça o fim dessa história. Se você não sabe e não quer que eu estrague sua ida ao cinema, pare de ler aqui.

Se o Oscar fosse sério, Emile Hirsch teria sido pelo menos indicado na categoria de melhor ator. Seu personagem começa o filme pesando 70 quilos e nas cenas finais no Alasca chega aos 52 !...Além do tremendo esforço físico (não existe dublê nesse filme) Emile está espetacular demonstrando uma maturidade raríssima pela sua pouca idade.

Sean Penn levou 10 anos pra convencer a família de Christopher a lhe dar a autorização para filmar. Os McCandless não queriam ver a vida do filho perdido transformada em uma historinha açucarada como Hollywood costuma fazer. Sean Penn tinha muita certeza do que queria. Não desistiu enquanto não conseguiu os direitos sobre a história. Como roteirista e diretor ele dá o tom certo ao filme que não faz concessões ao emocionalismo barato. Ninguém sai do cinema chorando neste filme. Mas só se você tiver um coração de pedra, Na Natureza Selvagem não vai arrebatar seu espírito. Há imagens de uma beleza tão impressionante dos lugares por onde Christopher passou a caminho do Alasca digna dos momentos mais inspirados da história do Cinema. O diretor de fotografia, Eric Gautier, foi chamado por Penn depois que este assistiu ao Diários de Motocicleta do Walter Salles. A trilha sonora é um show a parte...é toda ela obra do vocalista do Pearl Jam Eddie Vedder que ganhou até Globo de Ouro pelo seu trabalho!...

Christopher McCandless morreu de fome e frio aos 24 anos após 113 dias de Alasca. Seu corpo foi encontrado dentro dos destroços de um ônibus escolar abandonado pesando apenas 30 quilos. O local se tornou um ponto de peregrinação e culto ao mito de McCandless. Hippies e andarilhos de toda parte vão até lá para ver a última morada de Mr. Supertramp (como ele se auto-intitulou). Suas botas e seus escritos estão lá até hoje. Na porta do ônibus é possível ler o que pode ter sido a última mensagem do garoto:
"S.O.S. Eu preciso de sua ajuda. Estou machucado, quase morto e fraco demais para sair daqui. Estou totalmente só, não estou brincando. Pelo amor de Deus, por favor, continuem tentando me salvar. Estou lá fora pegando frutas nas proximidades e devo voltar esta noite. Obrigado, Chris McCandless. Agosto?"

Contra a vontade dos produtores, Sean Penn decidiu filmar nos locais exatos por onde Chris havia passado. Menos no ônibus. Penn temia os estragos que uma equipe de filmagem poderia fazer no espaço. Não filmou lá por respeito.

Respeito...solidão...bondade...abnegação...são fragmentos que ajudam a dimensionar a grandeza deste filme feito para vida toda. Imperdível!...

Confira onde está passando aqui.

2 comentários:

July disse...

Meu Deus, que vontade de ver esse filme!
aqui em Salvador não tá passandoooooooo!!!!!

Renata - sempreA2 disse...

Concordo plenamente com vc, se tiver que escolher o melhor filme que assisti no ano, vou ter que dizer que foi este, só sinto muito não te-lo assistido no cinema, nunca irei me perdoar por isso. Assisti ao filme com o meu marido, e nós dois ficamos pasmos quando o filme acabou, um filme lindo que nos deixou uma mensagem positiva, de viver e aproveitar as pequenas coisas da vida. Por dias ainda comentavamos sobre o filme e o indicamos a todos os nosso amigos.
Hoje encontrei seu blog, e como uma adoradora de cinema, já fiquei fâ, é ótimo ter um lugar onde buscar informações e trocar percepções sobre filmes. Não sou expert nem crítica de cinema, mas sei do que gosto e do que não gosto, e gosto de comentar minhas opiniões no blog.